Óculos de proteção para o Cultivo indoor: você usa?

Não fique no escuro quando se trata de sua visão no grow.

Trazemos a seguir um dos riscos à saúde mais negligenciados que os jardineiros de interiores enfrentam. Operadores de sala de cultivo correm um risco cada vez maior de dano permanente aos olhos ou mesmo cegueira devido aos rápidos avanços tecnológicos em fontes de iluminação comerciais e industriais cada vez mais disponíveis para amadores e produtores de pequena escala que não estão familiarizados com os seus riscos.

A iluminação de horticultura percorreu um longo caminho ao longo da última década, evoluindo dos antigos reatores HPS e MH magnéticos, de núcleo pesado e bobina, até os atuais reatores eletrônicos “inteligentes” leves e integrados em rede, capazes de iniciar o nascer / pôr do sol e ajustar os tempos de ignição para evitar sobrecargas no circuito, entre outras coisas.

Também vimos grandes avanços em outras tecnologias de iluminação, como LED, plasma e luzes de indução sem eletrodos, trazendo-as para a indústria de jardinagem e estufa. Quando se trata de luzes de cultivo, a pesquisa e o desenvolvimento se concentram em dois fatores principais: aumentar a eficiência energética e aumentar o PAR (radiação fotossinteticamente ativa).

Muitas dessas otimizações têm o infeliz efeito de exacerbar o que já são ambientes extremamente inóspitos para a saúde humana. O foco que os fabricantes de iluminação estão colocando no baixo consumo de energia não tem real importância na saúde do operador growr na maior parte, pelo menos no que diz respeito aos perigos que nos estamos referindo, enquanto sua atenção ao PAR pode precisar de mais explicações, pois tem tudo a ver com o esse assunto. Este é o campo específico de avanço que está colocando mais e mais pessoas em risco de dano permanente aos olhos e até mesmo cegueira.

PAR é o conjunto de freqüências de ondas de luz específicas que desencadeiam respostas biológicas em plantas, como fototropismo, fotomorfogênese e fotoperiodismo. Essas respostas biológicas afetam o movimento de uma planta em direção à luz, a regulação do crescimento, desenvolvimento e diferenciação de tecidos vegetais e a regulação do relógio circadiano interno, respectivamente. Eles também desencadeiam a fotossíntese, a capacidade de uma planta usar a energia da luz como um bloco de construção molecular para criar novas células e crescer.

As ondas de luz vêm em todo um arco-íris de freqüências, delineadas por seus padrões de onda específicos. A luz ultravioleta tem pequenos comprimentos de onda, e quanto mais alto o espectro eletromagnético que você se move, maiores os padrões de onda se tornam. Muitos desses comprimentos de onda podem ter efeitos pronunciados sobre a matéria física, como a radiação do lixo nuclear, ou raios X no consultório médico. Até mesmo seu microondas cozinha alimentos com comprimentos de onda, o que lhe dá uma idéia de quão poderosos eles podem ser.

Acontece que os comprimentos de onda específicos que mais vantajosamente afetam o crescimento das plantas são agrupados principalmente nas duas extremidades opostas do nosso espectro "visível". As plantas são mais sensíveis às ondas de luz nas faixas vermelha, azul, violeta e ultravioleta, e muito menos no meio do espectro visível, que é ocupado por amarelos e verdes.

Após anos de pesquisa neste campo, o inevitável aconteceu, como sempre deve, e foi dado maior foco à quantificação, isolamento e reprodução de cada possível comprimento de onda com a esperança de criar fontes de iluminação que produzem apenas as ondas de luz benéficas e nada extra, economizando energia normalmente desperdiçada, produzindo freqüências desnecessárias e gerando excesso de calor.

O desenvolvimento mais interessante neste tipo de hiper-otimização de larguras de banda específicas para a produção de plantas é no campo dos diodos emissores de luz. A iluminação LED teve grandes aumentos de potência nos últimos anos, juntamente com conceitos inovadores de lentes ópticas para superar problemas anteriores de penetração de dossel, tornando-os, finalmente, uma opção viável de baixa potência para iluminação de plantas. Além dos benefícios de baixa geração de calor da iluminação LED, também nos permite ter um controle sem precedentes sobre as larguras de luz que escolhemos criar, dando-nos diodos que emitem comprimentos de onda precisos, específicos para nanômetros, para economias de energia ainda maiores do que antes.

Agora, aqui está o problema - muitos, possivelmente até a maioria, desses espectros são excepcionalmente insalubres para os olhos, causando uma série de doenças visuais que podem levar não apenas a danos permanentes nos olhos, mas também podem deixá-lo cego. Algumas das doenças oculares associadas a esses espectros particulares incluem:

Degeneração macular: a principal causa de cegueira

Cataratas: um desdobramento das proteínas da lente que causa turvação dentro da lente

Pterígio: um crescimento no branco dos olhos que pode crescer sobre a córnea

Pinguecula: outro tipo de crescimento no branco dos olhos

Fotoceratite: uma queimadura corneana dolorosa, mas temporária

Ceratopatia por gotículas climáticas: um acúmulo de proteínas translúcidas

Câncer de pele: comum ao redor da pele das pálpebras após exposição à luz ultravioleta

Essa é uma lista bastante assustadora de doenças e ferimentos, com certeza - com certeza suficiente para abastecer bilhões em vendas de óculos de sol. Com essa enorme indústria já instalada, blindagem a visão do mundo dos males da radiação nociva do sol, você pensaria que estaríamos bem cobertos em termos de proteção para aqueles expostos aos raios UV, mas você estaria errado. O jardineiro indoor não só está em risco de sofrer danos oculares, como também está exposto a riscos ainda maiores devido à natureza desse tipo de iluminação comercial.

Os fabricantes de óculos de sol nos oferecem uma proteção excepcional não apenas da intensidade da luz, mas também daqueles incômodos raios UV-A e UV-B - aquelas ondas de luz UV entre 280 e 380 nm - mas você já ouviu falar sobre UV-C? Provavelmente não, porque os comprimentos de onda UV-C, que estão entre 200 e 280 nm, são filtrados da nossa existência terrestre pela atmosfera superior. Portanto, a menos que você projete materiais para naves espaciais, seja um soldador, trabalhe com aparelhos germicidas UV ou com algumas outras aplicações especializadas do setor, você provavelmente não encontrará esse tipo de onda de luz ao longo de sua vida cotidiana. Exceto se você é um jardineiro indoor.

A moderna iluminação LED de horticultura de hoje, independentemente do fabricante, é provavelmente rica em todas as larguras de banda da radiação UV, exigindo uma proteção ocular especializada, incluindo a filtragem UV-C, bem como os padrões UV-A e UV-B. Existem centenas de produtores de óculos de proteção UV por aí, e milhares de ofertas de produtos que efetivamente protegerão seus olhos dessas perigosas ondas de luz.

 

A desvantagem disso é que eles são projetados para pessoas em ambientes de trabalho relativamente estandardizados em relação à iluminação geral, portanto, todos eles vêm com lentes transparentes ou de cor padrão, que não corrigirão a visão do agricultor trabalhando sob o brilho da maioria das fontes de iluminação LED hortícolas.

Por que isso importa? Porque todos esses maravilhosamente dinâmicos comprimentos de onda que temos discutido transmitem a iluminação mais incrivelmente magenta que você já viu. Essas luzes criam um ambiente extremamente roxo / rosa - tanto que você perde toda a capacidade de diferenciação de cores, que é a ferramenta número 1 do produtor interno.

Inspeção visual é o principal indicador de problemas em relação à produção de plantas; É assim que identificamos deficiências nutricionais, detectamos infestações ou detectamos infecções fúngicas. As luzes LED de crescimento podem ser tão intensas que você não só perde toda a acuidade de cor, mas até mesmo suas habilidades de detecção de movimento são prejudicadas, especialmente no que diz respeito a objetos diminutos, como ácaros, tripes e mosquitos.

Infelizmente, existem poucas e preciosas fontes de óculos especificamente projetadas para bloquear todos os três tipos de radiação UV.

Ao pesquisar potenciais óculos de cultivo, concentre-se nos produtos com a máxima proteção UV, e não no estilo mais legal. Lembre-se, estes são para o growroom, onde você provavelmente está trabalhando sozinho. Escolha o estilo que melhor impede que qualquer luz chegue aos seus olhos ao redor dos quadros. Você quer que toda a luz esteja passando pela lente dos óculos antes de atingir sua pupila. Existem estudos que provam que uma grande quantidade de danos oculares é causada pela luz UV refletida na parte de trás de óculos de bloqueio de UV mal ajustados.

Depois de ter encontrado alguns óculos de proteção adequados, faça um favor e compre um par extra. Mantenha o conjunto extra disponível para quando você precisar de um segundo par de mãos auxiliares no growroom, ou quando você acidentalmente deixar seu par principal em casa, porque eles estavam no topo da sua cabeça quando você deixou o grow.

Mantenha seus óculos de proteção pendurados ao lado da entrada do seu quarto para que você sempre saiba onde eles estão e lembre-se de que eles não servem em uma prateleira ou gancho, portanto, certifique-se de colocá-los sempre que seus olhos estão expostos ao ambiente iluminado por LED.

Fonte: Valuavitaly/Dreamstime.com